Pauderney fica em Brasília para solucionar grave problema do setor de concentrados

Pauderney fica em Brasília para solucionar grave problema do setor de concentrados

Assim que ficou sabendo do decreto publicado em edição extra do Diário Oficial da União (DOU), que pode provocar o esvaziamento das empresas de concentrados do Polo Industrial de Manaus, o deputado federal Pauderney Avelino (DEM) decidiu ficar em Brasília e reunir com representantes do setor juntamente com o presidência da República, Receita Federal e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) para solucionar este grave problema.

“Fomos surpreendidos por um decreto que revoga os benefícios do polo de concentrados de refrigerantes. A Zona Franca de Manaus não irá pagar este pato”, comenta Pauderney sobre o decreto que faz parte do conjunto de medidas adotadas pelo governo para compensar o subsídio de R$ 9,5 bilhões ao diesel, durante as manifestação dos caminhoneiros. O decreto reduziu de 20% para 4% a alíquota de IPI incidente sobre os concentrados que servem de base para bebidas produzidas na Zona Franca de Manaus.

“É claro que os caminhoneiros precisam reduzir o seu custo de operação, até para que os produtos cheguem com preços mais baixos a todas as cidades brasileiras, mas a Zona Franca de Manaus e o povo do Amazonas não podem ser prejudicados neste processo”, afirma Pauderney.

O parlamentar reforça que já vinha tratando do assunto no Ministério da Fazenda e Receita Federal e pretende encontrar uma saída. “Amanhã, sexta-feira, estarei aqui em Brasília recebendo os presidentes da Coca Cola Internacional, da Ambev, e representantes dos pequenos produtores, nesta luta para revogar este decreto”.

Segundo a Associação dos Fabricantes de Refrigerantes do Brasil (Afrebras), a decisão do governo corrige uma distorção tributária na indústria de bebidas. Mas, para Pauderney “a medida vai provocar o esvaziamento de todo setor, prejudicando inclusive os produtores de guaraná e açaí do Amazonas”.

Compartilhar