Após três lindos espetáculos, Garantido deixa arena sob gritos de ‘É Campeão’

Após três lindos espetáculos, Garantido deixa arena sob gritos de ‘É Campeão’

“É campeão! É campeão!”. Esse grito ecoou na galera vermelha e branca no Bumbódromo, quando o Boi Garantido deixava a arena, na apresentação que fechou o espetáculo “Nós, o povo”, na noite do dia 30 de junho. O bumbá brincou de boi e fechou sua história folclórica com um clamor de Liberdade. A exibição épica que continuou nos corredores do Bumbódromo com a Batucada tocando e a galera nas escadas em plena comemoração.

“O Garantido mostrou nessas três noites do Festival a sua essência, sua garra e a superação do povo da Baixa do São José. Fizemos um Boi para entrar para a história e tenho certeza, com as bênçãos de Nossa Senhora Do Carmo, seremos pela 32° vez, campeões do Festival de Parintins”, afirmou bastante emocionado o presidente Fábio Cardoso.

“Tudo foi feito pelo povo e para o povo. Nossas lutas, alegrias e o sentimento de um Brasil mais livre foram cantados na arena. Temos a certeza que a nação vermelha e branca sai desse festival com a certeza de vitória”, destacou o diretor cênico e coreográfico Ricardo Pegueite.

O Boi da Baixa do São José iniciou sua extraordinária e impactante apresentação cantando a tradição, o legado de Mestre Lindolfo Monteverde e seus sonhos de liberdade. Com a Celebração Folclórica “Liberdade e Patrimônio Cultural do Brasil”, o Boi mais campeão de Parintins levou todo o Bumbódromo ao delírio. A alegoria teve assinatura de dois mestres da arte do Amazonas, Jair Mendes e Vandir Santos.

Ao som de toadas imortais e conhecidas mundialmente, como ‘Tic, tic, tac’ e ‘Sonho de liberdade’, a exuberante celebração folclórica trouxe o Boi-Bumbá Garantido, a sinhazinha da fazenda Didja Cardoso e a rainha do folclore Brenda Beltrão.

O pajé do Boi Garantido, Adriano Paketá, protagonizou um momento único e avassalador. O lider tribal comandou a Batucada, tocando tambor para chamar as tribos vermelhas na dança da libertação com a toada “Celebração da Fé”.

A toada ‘Rosas Vermelhas’ mais uma vez emocionou. Um dueto entre levantador de toadas, Sebastião Júnior, e a cantora Márcia Siqueira cantou a luta das mulheres, uma bandeira hasteada pela igualdade. Outra toada executada com maestria foi ‘Festa da Liberdade’, concorrendo ao item 11, Toada letra e Música. Sua defesa é por igualdade, justiça e respeito às mulheres e ao povo. O momento arrancou lágrimas do levantador Sebastião Júnior.

Em seguida a lenda amazônica “Wadie, o Monstro Devorador de Cunhãs” foi apresentada de maneira extraordinária e inovadora e surpreendeu por seus movimentos e gigantesco tamanho. A lenda do artista Junhão Feijó trouxe a bela cunhã-poranga Isabelle Nogueira.

A bela plástica das alegorias do Boi Garantido foi exposta também pela Figura Típica Regional “O Caboclo” dos artistas Marialva Brandão e Roberto Reis e o grande ritual “Palikur” de Sorin Sena e Pingo de Souza.

Com uma apresentação arrebatadora, o Boi Garantido encerrou a sua apresentação trazendo o povo que fez parte do espetáculo do Boi do Povão. A apoteose vermelha reuniu Kaçaweres, itens individuais, compositores, artistas, diretoria, dançarinos e todos os setores do boi que deram vida ao projeto “Nós, o povo”. “Prometemos um Boi emocionante e técnico. Deixamos a arena com sentimento de vitória e alegoria. Agora é aguardar”, finalizou Júnior de Souza, da Comissão de Artes do Mais Campeão de Parintins.

 

Texto: Ivanna de Brito
Fotos: Justino Guimarães/ Imprensa Garantido

Compartilhar